Está aí a confirmação de mais um grande livro vindo engrossar a lista de adaptações chegando às telonas. “A casa do céu” é o best-seller de renome mundial baseado nas experiências da jornalista Amanda Lindhout, escrito em parceria com a escritora Sara Corbett. Nele consta o relato de como, aos 27 anos, Amanda e o namorado foram abordados e sequestrados por guerrilheiros mascarados numa estrada de ferro na Somália, numa das viagens na qual buscavam se colocar como testemunha ocular nos lugares de maiores conflitos no mundo. Eles permaneceram em cativeiro durante 15 meses.
Os direitos foram adquiridos pela Annapurna Pictures, que já segue dando andamento ao projeto. A atriz americana Rooney Mara, que interpretou Lisbeth Salander na adaptação de “Os homens que não amavam as mulheres”, está confirmada para o papel de Amanda. Ela será também a produtora do filme.
Confira a sinopse de “A casa do céu”, publicado no Brasil pela Novo Conceito em 2013:

Quando criança, Amanda escapava de um lar violento folheando as páginas da revista National Geographic e imaginando-se em lugares exóticos.

Aos dezenove anos, trabalhando como garçonete, ela começou a economizar o dinheiro das gorjetas para viajar pelo mundo.

Na tentativa de compreendê-lo e dar sentido à vida, viajou como mochileira pela América Latina, Laos, Bangladesh e Índia. Encorajada por suas experiências, acabou indo também ao Sudão, Síria e Paquistão. Em países castigados pela guerra, como o Afeganistão e o Iraque, ela iniciou uma carreira como repórter de televisão. Até que, em agosto de 2008, viajou para a Somália — “o país mais perigoso do mundo”. No quarto dia, ela foi sequestrada por um grupo de homens mascarados em uma estrada de terra.

Mantida em cativeiro por 460 dias, Amanda converteu-se ao islamismo como tática de sobrevivência, recebeu “lições sobre como ser uma boa esposa” e se arriscou em uma fuga audaciosa. Ocupando uma série de casas abandonadas no meio do deserto, ela sobreviveu através de suas lembranças — cada um dos detalhes do mundo em que vivia antes do cativeiro —, arquitetando estratégias, criando forças e esperança. Nos momentos de maior desespero, ela visitava uma casa no céu, muito acima da mulher aprisionada com correntes, no escuro e que sofria com as torturas que lhe eram impostas.

De maneira vívida e cheia de suspense, escrito como um excepcional romance, “A Casa do Céu” é a história íntima e dramática de uma jovem intrépida e de sua busca por compaixão em meio a uma adversidade inimaginável.