Autora de seis romances, Kendra Blake se formou em escrita criativa na Universidade Anna vestida de sangue 3Dde Middlesex, em Londres. “Anna vestida de sangue”, primeiro livro da duologia “Anna”, é um marco em sua carreira. Atualmente publicado em mais de vinte países, também teve os direitos de a adaptação para os cinemas vendidos para a produtora de Stephenie Meyer, autora da saga “Crepúsculo”.

Cas Lowood herdou uma vocação incomum: ele caça e mata os mortos. Seu pai também tinha essa ocupação, até ser barbaramente assassinado por um dos fantasmas que perseguia. Agora, armado com o misterioso punhal de seu pai, Cas viaja pelo mundo com sua mãe bruxa e seu gato, que fareja espíritos. Juntos, eles vão atrás de lendas e folclores locais, tentando rastrear os sanguinários fantasmas e afastar coisas incômodas — como amigos e o futuro.

“Anna vestida de sangue” vem causando alvoroço desde que foi lançado nos E.U.A. E não é à toa. O livro é simplesmente encantador, mas de um jeito bizarro. Tem todos os elementos para um sucesso juvenil: emoção, sinceridade, criatividade e personagens carismáticos.

O dom de Cas é hereditário. Por algum motivo corre nas veias do garoto a capacidade de despachar gente que não deveria estar mais circulando pela face da terra, porque, afinal, já estão debaixo dela agora. Mas nem todos os mortos entendem bem essa dica dos sete palmos acima da cabeça. Alguns, como Anna, circulam por aí com uma quantidade absurda de poder. É claro que Cas não pode ficar de braços cruzados diante da situação… Não tendo uma mãe como bruxa, um animal de estimação com sentidos paranormais e um pai assassinado por fantasmas no histórico.

Conforme a história avança, são reveladas as personalidades tanto de Cas quanto da prórpria Anna. Para mim, o maior ganho da trama está aí. Os personagens são muito bem elaborados, interessantes e complexos na medida certa. Da para perceber logo de início que a autora construiu um universo no qual é possível chamar a atenção do leitor ao mesmo tempo em que consegue mantê-lo ansioso por mais. O bônus? Fazer isso mantendo o compromisso de um terror de qualidade. Muitos, muitos pontos para Blake.