fbpx
Menu

[Resenha] A Culpa é das Estrelas — John Green

Dois anos depois de Quem É Você, Alasca?  ser publicado no Brasil, eis que
chega A Culpa é Das Estrelas,
outro Best-seller de John Green. Originalmente publicado em janeiro de 2012, ele já traduzido para o holandês, hebraico, alemão, chinês e outras três
línguas além do português. A possibilidade de uma adaptação cinematográfica
está sendo avaliada pela Fox 2000.

Hazel Lancaster tem 16 anos e sabe
que vai morrer. Tudo bem que tudo mundo vai morrer um dia, mas Hazel estará do
outro lado antes de muita gente da sua idade. Antes até de muita gente mais
velha. Na verdade, ela deveria ter partido dessa para melhor uns bons anos
atrás, quando foi diagnosticada com câncer de tireoide em estágio IV. Mas já
que um milagre aconteceu e ela ainda continua respirando (não sejamos
inconveniente a ponto de citar seu companheiro de todas as horas carrinho de
oxigênio), a vida continua. Ela continua apesar das visitas ao hospital e ao
Grupo de Apoio a Crianças com Câncer que aconteceriam com menos frequência,
claro, se isso dependesse apenas de sua vontade.

Quando num dos encontros do Grupo
de Apoio surge Augustus Waters, um garoto que também é um sobrevivente do
câncer, a vida começa a tomar um rumo diferente. Como Hazel, Gus tem uma
história a escrever. De preferência uma com câncer, não sobre câncer.

Antes de ler A Culpa é das Estrelas, eu era
uma garota tomada pela vontade de tê-lo e cheia de expectativas. Depois de finalmente conseguir comprar e terminar o livro, eu, essa mesma garota, sou alguém com lágrimas em falta e que admira ainda mais
(se é que isso é possível) a forma como John Green escreve.

Encontrar livros que falem de câncer é tão difícil quanto somar dois e dois. Por outro lado, como brincar com drama é uma coisa perigosa, não é qualquer um desses livros que tem a medida certa de sentimento. Green, para alívio e felicidade dos leitores, conseguiu mostrar que domina tanto a arte de dosar o sentimentalismo quanto a de falar com o leitor através da cabeça e dos lábios de seus personagens.

Sabiamente,
o autor deixa a técnica da enrolação de lado e utiliza o humor (negro) para
tratar de questões sérias, feias. Sentir dor é horrível, pais perderem filhos é
triste, mas não há como ficar enfeitando coisas do tipo. Hazel, por exemplo,
não é um tipo de ser superior que luta bravamente e blábláblá. Ela é o tipo de
pessoa que acha melhor se armar com a realidade da situação. Foi uma escolha a
partir da qual as outras foram sendo
tomadas.

Sabe quando você acha que cada personagem teve uma merecida atenção na hora da criação? Bom, eu achei que os personagens desse livro tiveram isso. Gus e Hazel diriam que esse é um privilégio do câncer. Talvez eu concorde. É possível um adolescente ter características típicas da idade e ainda ser maduro? Ser completo e te colocar para pensar enquanto te faz rir ou chorar (ou os dois juntos)? Esses personagens dizem que sim, mostram que sim, e isso só pode ser um privilégio.

A sensação de terminar uma leitura e ter vários motivos para justificar o fato de ter gostado tanto dela é maravilhosa. Um romance doce, um encontro com “pessoas” ótimas, uma injeção de risadas, um recipiente de tristeza, uma leve cutucada no cérebro. A Culpa é das Estrelas é só tudo isso.

Título Original: The Fault In Our Stars
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 288
ISBN: 9788580572261

15 Comments

  • Jessica
    16 de julho de 2012 at 12:20

    Amei a resenha, tava doida esperando por ela. A Culpa é das estrelas foi tão esperado por mim, mas agora tenho que esperar receber o próximo salário pra lê-lo rsrsrs.
    Não quero nem imaginar como vou me sentir lendo esse livro, provavelmente mas sensível do que já sou.
    Sua resenha só me deixou mais ansiosa!

    Beijos

    Reply
  • Julia
    16 de julho de 2012 at 12:33

    Oi Kim! Adorei a sua resenha 🙂
    Ainda não li esse livro, mas estou louca para ler (afinal é do JOHN GREEN *-*), porque depois que li Quem é você, Alasca? fiquei mais animada para ler os outros livros do John como esse, An Abundance of Katherines e Paper Towns.

    Esse foi um autor que me conquistou logo de cara, porque ele trata coisas tão simples e normais com uma filosofia mágica. Como a dor. A dor é uma coisa complicada, porque com muitas pessoas, os momentos mais felizes pelos quais elas passaram foram com pessoas que a morte levou ou pessoas que as machucaram. E pelo o que eu vejo em todas as resenhas, Hazel e Augustos viveram um tempo mais feliz impossível, mesmo sabendo o que aconteceria a eles no fim.
    Beijos!
    http://thebooksthief.blogspot.com/

    Reply
  • Esmalte de Morango
    16 de julho de 2012 at 15:19

    Ah Kim. Se eu enlouquecer e sequestrar esse livro de alguém a culpa nãos será de John Green e sim, será sua. Que fique registrado!
    Estou com tanta vontade de ler esse livro, mais tanta vontade, que acho que se eu me decepcionar com ele, eu faço alguma loucura. hahaha
    Creio que eu chorarei muito com esse livro. Ai ai ai.

    Beijão, Meire.
    http://manialiteraria.blogspot.com.br/

    Reply
  • Jacqueline Braga
    16 de julho de 2012 at 23:56

    Oie gêmula
    adorei a resenha,certeza que eu vou me acabar de chorar, já que chorei pacas em Quem é você, Alasca?
    Preciso muito ler logo esse livro
    bjos

    Reply
  • Mylla Stefany
    18 de julho de 2012 at 00:02
  • Leitura entre amigas
    18 de julho de 2012 at 02:00

    Oii!!
    Esse livro parece possuir todos os tipos de sentimentos! ^^
    Quero muito lê-lo!
    Beijos

    Elidiane – Leitura entre amigas

    Reply
  • My Favorite Book
    18 de julho de 2012 at 19:17

    Venho leio resenhas sobre esse livro há uns dias e todas falam muito bem dele. Nossa, preciso lê-lo KKKKK sim, é verdade, como você disse, que há diversos livros por aí que tem como assunto câncer, mas até que eu gosto de lê-los. Nossa, não sei nem o que esperar do final desse livro, sério.

    Ah, Kim, há um tempo o meu perfil do Twitter deu tilt, aquele @MyFavoriteBook que você seguia lembra? Pois é, só agora que criei outro @MFBook , já tô seguindo você lá tá?
    Abraço

    Brunna Carolinne – My Favorite Book
    http://myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br/

    Reply
  • Nica
    19 de julho de 2012 at 02:48

    Que resenha gêmula! Eu já queria ler o livro, agora eu PRECISO PRA ONTEM!!!
    Vc escreveu mto bem e deu pra sentir tudo o que vc sentiu ao ler o livro… Parabéns pela excelente resenha!
    Um beijo,
    Nica

    Reply
  • Anderson Sampaio
    19 de julho de 2012 at 11:58

    Eita! Sempre via a galera dos blogs resenhando esse livro mas, talvez na minha ignorância, achava que era um simples livro. Hoje parei para ler sua resenha e adorei! Fiquei super curioso!
    Bjaoo

    http://olhosleem.blogspot.com.br/

    Reply
  • Rafaela.
    19 de julho de 2012 at 23:09

    Hey, Kim!
    Confesso que estava com um receio enorme de ler este livro, pensei que seria a mesma coisa de sempre… Mas agora que eu li sua resenha – linda e positiva – fiquei animada! 🙂
    Não fazia ideia de que o livro era tão complexo.

    Beijocas. =*
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    Reply
  • Grazy Souza
    20 de julho de 2012 at 20:10

    Oie.
    Esse parece um livro forte. Quero ler. Logo no ínicio da resenha me fez lembrar muito o filme Uma prova de amor com Cameron Diaz.
    Beijooo!!!

    Grazy
    http://meusantidotos.blogspot.com.br

    Reply
  • Leticia Barros
    26 de julho de 2012 at 00:49

    Oi, primeira resenha boa que vejo aqui Amarguete rsrs Eu simplesmente não posso explicar meu anseio por esse, ok, sou fã dos vídeos do autor, mas gostei do Alasca dele.
    Livro adolescente maduro é o que há, simplesmente não consigo passar perto dessas coisas muito mimimi mais, cansei!

    Enfim, beijos! Selo de Qualidade Kim Gostou-é-um-Milagre-chama-o-Papa.

    Reply
  • Anônimo
    6 de agosto de 2012 at 01:56

    Oi , eu fui na livraria hj com a minha mãe e pequei um negocinho que eles dão com o primeiro capitulo do livro , ai eu cheguei em casa e pensei que esse livro fosse , sla , "estranho" , mas ai eu comecei a ler e fui achando legal , quando mas eu lia me dava vontade de continuar lendo . Quando acabei de ler o primeiro capitulo vim pesquisar sobre o livro , e a sua resenha me deu mais vontade ainda de ler o livro todo !!

    Reply
  • Daiane Alencar
    13 de janeiro de 2013 at 23:26

    Comprei o meu e já estou louca pra ler!

    Reply
  • juliano cesar de oliveira
    20 de abril de 2014 at 18:15

    Oi adorei sua resenha…mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei… se trata de um livro arrebatador…ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos…..e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história…..acesse o link da livraria cultura e digite reverso…a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem..busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    http://www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    Reply

Leave a Reply