Encrenca foi o livro de estreia da britânica Non Pratt. Originalmente publicada em 2014, a obra foi seguida pela Encrenca-3dcolaboração na antologia “Love hurts” e o lançamento de “Remix”, ambos em 2015. Outros dois títulos estão programados ainda para 2016: “Truth or dare” e “Unboxed”.

Quando o colégio inteiro descobre que Hannah Sheppard está grávida, ela tem um verdadeiro colapso. E quem está ao seu lado é Aaron Tyler, um aluno novo e o único garoto que não parece ter segundas intenções em relação a ela. Desejando compensar seus erros do passado, Aaron toma uma difícil decisão: ele se oferece para fingir ser o pai do bebê. E, temendo revelar quem é o verdadeiro pai, Hannah aceita. Em um período marcado por perdas, arrependimentos e esperança, os dois vão descobrir que nada se compara a encontrar o seu primeiro melhor amigo de verdade. Este livro inteligente, por vezes comovente e engraçado, mostra que crescer pode ser complicado, mas é assim que se descobre o que realmente importa na vida.

A história é narrada nas vozes de ambos os protagonistas, que, no fim das contas, completam o sentido total do livro. Nela, temos dois adolescentes cujas vidas passam por mudanças drásticas, por vezes amedrontadoras, mas que descobrem o caminho do autoconhecimento enquanto se relacionam.

“Encrenca” é um livro juvenil, escrito em linguagem juvenil – ponto para a autora, que soube aproveitar a ponte para facilitar a comunicação com seus leitores. No entanto, engana-se quem pensa que alguma dessas características desmerece ou diminui a grandeza dos temas abordados. À sua maneira, Pratt construiu uma trama que traz a crueza da vida como só um adolescente é capaz de enxergar.

Este é um livro que nos faz lembrar do quanto existe em todos nós muito mais do que a camada exterior é capaz de transparecer. É assim com Hannah e com Aaron, mas conosco também. Há momentos em que simplesmente faz bem revisitar esta verdade gigantesca. Se for através de uma (mais do que) boa leitura, melhor ainda.