Marie
Landry é a simpática autora de Blue Sky Days, seu livro de estréia recém saído
do forno.  Responsável por uma obra doce,
de leitura fácil e rápida, ela respondeu atenciosamente a todas as perguntas, nas
quais fala um pouco sobre si, seu livro e mostra que faz parte da longa lista
de fãs de Harry Potter.


Emma Ward, dezenove anos de idade, passou a vida inteira tentando conseguir a aprovação de seus pais. Ela estudou muito e conseguiu boas notas na escola – ela até mesmo evitou toda a rebeldia adolescente – mas tudo o que conseguiu foi ser ignorada. Agora Emma percebe que manter o nariz enterrado em um livro didático a deixou sem amigos, sem namorado e sem direção.
Na esperança de descobrir o que ela quer na vida, Emma sai de casa para viver com sua tia de espírito livre e um pouco excêntrica, Daisy. Quando Emma encontra Nicholas Shaw, tudo muda. Nicholas é diferente de qualquer pessoa que ela já conheceu, o tipo de cara que ela não sabia que ainda existia no século 21.
Entre Daisy e Nicholas, Emma sente que pertence a algum lugar, pela primeira vez em sua vida, e percebe que nem sempre você precisa de um plano – às vezes a vida orienta-o para onde você está destinado a estar. A vida é maravilhosa, uma sequência interminável de dias de céu azul, até que Nicholas é diagnosticado com câncer. A vida muda mais uma vez para Emma, de maneiras que ela nunca imaginou ser possível. Vai custar toda a força da Emma recém-descoberta e coragem para ajudar Nicholas, e para descobrir se o amor realmente é o suficiente.

Então, vamos começar com você. Quem é você,
Marie Landry?
Sou um
monte de coisas — uma escritora, uma filha, uma irmã, uma tia, uma amiga, uma
amante de música, uma leitora ávida, uma blogueira. Minha maior paixão na vida
é escrever. Seu autora é um sonho transformado em realidade para mim.
Você sempre pensou em se tornar escritora?
Sim,
sempre. Por tanto tempo quanto posso lembrar, é tudo que eu queria fazer. Tem
sido um sonho e um objetivo no qual passei toda minha vida trabalhando.
Qual a maior dificuldade que você encontrou
enquanto escrevia?
Minhas
próprias dúvidas. Eu temia que o livro não fosse bom o suficiente, que as
pessoas não fossem ler ou não gostar dele. Eu deixei isso me segurar por algum
tempo, mas então percebi o quão bobo isso era e decidi que se eu estava feliz
com ele, isso era tudo o que importava. Muitas pessoas deixam o medo
impedi-las, e eu não queria ser uma dessas pessoas.
Você prefere ler ou escrever?
Essa é
difícil! Eu amo os dois, e não sei se seria capaz de escolher. Na leitura, eu
começo a fugir para um mundo fictício que alguém criou, mas escrevendo, eu
tenho uma chance de deixar minha imaginação correr solta e construo meu próprio
mundo fictício, e isso é igualmente emocionante.
Você se inspirou em algo ou alguém para
escrever Blue Sky Days?
Tive muita
inspiração para este livro. A personagem principal se apaixona por um garota
que é diagnosticado com câncer, e para isso, me inspirei no diagnóstico do meu
pai com câncer quanto eu era uma garotinha.  Foi uma época muito difícil na minha vida,
então eu tirei muita inspiração disso e joguei dentro do livro.
Se tivesse que descrever o livro em uma
palavra, qual seria?
Inspirador.
Qual o seu personagem favorito e por quê?
Outra
pergunta difícil! Eu acho que Emma é minha personagem favorita, porque ela
cresce muito ao longo da história e aprende muito. Eu também coloquei muito de
mim mesma em sua personagem — pequenas coisas que, provavelmente, apenas amigos
íntimos notariam, como, mas a fizeram sentir como se fosse parte de mim.
Você sempre acreditou no potencial de Blue Sky
Days? Enfrentou muitos desafios para publicá-lo?
Eu tinha
vinte anos quando escrevi Blue Sky Days, e quando terminei, sabia que queria
publicá-lo. Eu sabia que precisava de muito trabalho, mas eu achei que era uma
boa história e queria dividi-la com o mundo. Levei sete anos para voltar e
terminar, mas quando o fiz, o melhorei, tornei os personagens e o enredo mais
fortes e realmente acreditei no seu potencial. Eu sempre achei que ele seria
tradicionalmente publicado, mas quando comecei 
a pesquisar a auto-publicação soube que era o caminho certo para mim. Eu
gostei de ideia de ter liberdade e fazer as coisas do meu jeito.
Se você fosse apenas uma leitora e não a autora
de Blue Sky Days, por que o recomendaria?
Eu o
recomendaria porque pode ser relacionado. Quem não passou por lutas na vida? Os
personagens do livro têm altos e baixos, alegrias e tristezas, assim como todo
mundo. Emma tem que encontrar seu lugar no mundo, encontrar coragem e força
interior para lidar com os problemas em sua vida. Mesmo se as pessoas não
puderem se identificar com o relacionamento entre Emma e Nicholas, esse não é o
único relacionamento no livro — há o relacionamento entre Emma e sua mãe, Emma
e sua tia Daisy e Emma e seus novos amigos.
Podemos esperar por uma sequência?
Eu sempre
pensei que Blue Sky Days seria um livro autônomo, mas no final de 2011 uma
ideia veio a mim para uma possível sequencia. Se eu decidir escrevê-la, não
será por enquanto, mas é uma possibilidade concreta para o futuro.
Pense
rápido:
Livro favorito – A saga Harry Potter e Anne de Green Gables.
Uma série que todos deveriam ler – Jogos Vorazes.
O autor(a) dos seus olhos – Durante anos eu disse que queria
ser Nora Roberts quando crescesse. Ela é uma incrível, produtiva escritora.
Literary Crush – Etienne St. Claire de Anna e o Beijo
Francês.
Se você pudesse ser um personagem seria…  Anne Shirley de Anne de Green Gables…
ou Hermione Granger de Harry Potter…  OU Anna de Anna e o Beijo Francês.
Um desejo para o ano novo — Felicidade, amor, paz, sucesso,
saúde e prosperidade para todos.
Um quote de algum livro:
“Isn’t it splendid to think of all the things there are to find
out about? It just makes me feel glad to be alive—it’s such an interesting
world. It wouldn’t be half so interesting if we know all about everything,
would it? There’d be no scope
for imagination then, would there?”
(Não é esplêndido pensar em todas as coisas que há para descobrir?
Faz-me sentir feliz por estar viva — essa é uma palavra muito interessante. Não
seria metade tão interessante se nos soubéssemos tudo sobre tudo, seria? Não
teria espaço para imaginação, teria?
)
– Anne de Anne de
Green Gables
, por Lucy Maud Montgomery.
Bom, Marie, obrigada pela atenção! Quer deixar alguma mensagem para os
leitores do Brasil?
Eu gostaria de
agradecer às lindas pessoas do Brasil por tirar algum tempo para ler esta
entrevista, e eu espero que vocês leiam Blue Sky Days e o apreciem tanto quanto
eu apreciei escrevê-lo. E um agradecimento muito especial a Kimberlly por me
ter aqui hoje, foi um prazer! Obrigada!
(Uma atenção especial
para o obrigada que ela fez questão de dizer em português)
Mais uma vez, leiam
Blue Sky Days! O inglês do dele não é difícil e vale muito a pena.
Visite o blog da autora aqui.