O céu noturno em minha mente é o primeiro livro infantojuvenil da inglesa O céu noturno em minha menteSarah Hammond, que, antes de se dedicar à escrita, foi procuradora da cidade de Lincolshire.

Mikey Baxter tem 14 anos, mas muitas coisas o diferenciam dos outros garotos da sua idade. Para começar, o pai está na prisão e a mãe se recusa a falar sobre o assunto. Ele sabe que, de alguma forma, isso está ligado à cicatriz em sua cabeça e ao fato de ele parecer ter mais dificuldade em entender certos assuntos do que os outros. Quando um misterioso assassinato ocorre em sua cidade e Mikey é o primeiro a chegar à cena do crime, ele não sabe o que pensar. O que o levou até ali? Quem teria matado o morador de rua da cidade, que parecia nunca ter feito mal a ninguém? E quem era o homem caipira que estava nos arredores?

Com este livro, Sarah Hammond constrói uma história recheada de delicadeza e sensibilidade. “O céu noturno em minha mente” tem como protagonista um menino capaz de provocar sentimentos intensos e trazer reflexões que transcendem qualquer delimitação por faixa etária.

É através de Mikey, seus desafios e suas superações, que podemos navegar por um mundo de  dificuldades, dons, necessidades especiais e crescimento. É uma jornada linda, absolutamente encantadora.

O leves toques sobrenaturais que aparecem – principalmente a habilidade do protagonista que guia sua busca por respostas – fazem toda a diferença. Não porque o livro não funcionaria sem eles, mas porque da o toque de magia que ele tanto merece enquanto aborda desde a descoberta de si próprio quanto o estabelecimento de uma relação saudável tanto com o próximo quanto com o mundo.

 “O céu noturno em minha mente” é do tipo de livros que nos acolhe e lembra da calma do prazer que é ser leitor. É graças a este tipo de encontro feliz que a sede por mais e mais títulos vem. Uma vez que se termina algo deste tipo, a única solução é buscar mais para tapar o vazio.