“O espelho de Cassandra” é o sétimo livro de Bernard Werber publicado no Brasil. Jornalista por formação e aclamado pelas obras que escreveu, o francês também é autor das trilogias “O império das formigas” e “O ciclo dos deuses”, ambas trazidas também pela Editora Bertrand Brasil.
Cassandra Katzenberg, 17 anos, é tudo menos uma garota normal. Suas lembranças são limitadas a até alguns anos antes. Seus pais morreram num atentado, e as pessoas ao redor a consideram louca. Tudo isso mesmo antes de ela começar a ter visões sobre o futuro nas quais, não surpreendentemente, ninguém acredita.
Munida com um misterioso relógio capaz de determinar sua probabilidade de morrer nos próximos segundos, Cassandra escapa da escola e da vida incapazes de satisfazê-la. É na aldeia Redenção, onde excluídos sociais  vivem segundo as próprias regras e conferem uns aos outros títulos de nobreza, que a menina passa a ser ouvida. Assim como a xará da mitologia grega, ela possui o dom da premonição. Em seu caminho estão belas surpresas, mas também esforços hercúleos se quiser impedir a concretização das tragédias das quais ninguém mais tem conhecimento.

Isso, eu sinto. Eles não têm futuros, mas eu tenho.

Bernard Werber não é um autor fácil de digerir. Talvez esteja aí o segredo da minha crescente admiração por seus livros. “O espelho de Cassandra” aborda mitologia, faz críticas sociais e se permite utilizar de humor negro. Essa é uma obra reflexiva, que fala do presente olhando para o futuro. Até o foco narrativo claramente se torna uma ferramenta da mensagem a ser passada ao leitor. Logo, aviso: o apego ao tradicional, ao comum, não trará bem algum.
Esse é um livro denso. Que delicioso é! Muito provavelmente não te prenderá pelas mesmas emoções daquelas típicas leituras descontraídas de tarde de domingo, muito menos devorado num só dia. E Respeite-o por isso.  As páginas te exigem que pense, que se mova, que acompanhe e experimente o oferecido.  Essa é uma excelente opção para degustar e aproveitar o processo ao invés de apenas o resultado.
“O espelho de Cassandra” vai muito além da simples história de uma garota sem passado com acesso ao futuro alheio, mas mesmo se fosse já seria meio caminho andado para a beleza que é. O motivo? É incrivelmente bem escrito! É sobre aceitação, descoberta, identidade, contemporaneidade, mitologia, hoje, amanhã, ontem,. É tão “mais” que me deixa querendo bis.
Título original: Le miroir de Cassandre
Número de páginas: 560
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 9788528616873