Originalmente publicado em 2011, Lola e o Garoto da Casa ao Lado é o segundo livro da americana Stephanie Perkins, também autora de Anna e o Beijo Francês, de 2010. Ambos os livros fazem parte de uma  espécie de série de volumes independentes. O próximo deles, Isla and the Happily Ever After, tem publicação prevista para maio de 2013.
Dar uma espiada na cabeça e na história de Lola Nolan é, no mínimo, uma experiência docemente agradável. Filha de um casal gay e namorada de um roqueiro bem mais velho, ela é uma adolescente de 17 anos impulsiva, criativa e animada que acredita que a vida é curta demais para sermos a mesma pessoa todos os dias. Assim, ela está sempre se reinventando, usando e abusando de figurinos e perucas.
Falando assim, qualquer um pode achar achar a vida de Lola peculiar…  E é mesmo. Tudo seguiria um caminho bem mais simples se seus dois pais simplesmente aceitassem seu namorado incrível. Também ajudaria se os vizinhos da casa ao lado continuassem bem longe. Só que, claro, nem tudo é como a gente quer. Prova disso é a volta da família Bell à vizinhança, o que significa que as coisas podem começar a se complicar de verdade. A partir daí, qualquer mísera olhadinha pela janela do quarto fará com que seja impossível ignorar que Cricket Bell, primeira paixão (e decepção) de Lola, está voltando para sua vida.

        – Então, você acredita em segunda chance?
        – Segunda, terceira, quarta. O que for preciso. Por mais tempo que leve. Se for a pessoa certa.


Contando com a participação especial de Anna e St. Clair — personagens do primeiro livro de Perkins que eu, só para vocês saberem, não conhecia e ainda não morro de vontade de conhecer melhor —, Lola e o Garoto da Casa ao Lado provou ser um chick-lit de qualidade. A narrativa é gostosa, a leitura é agradável, fácil, e cada personagem deixa sua marca, seja ela maior ou menor.

Sem dúvida alguma, esse foi o livro mais fofo que li em 2012. Aliás, um dos mais fofos que já li na vida. Cricket é puro amor; Max, o namorado, é um bad boy apaixonado. Pois é, até o triângulo amoroso chega a ser bacaninha. No entanto, mesmo com ele tendo todos esses pontos a seu favor, não vá se enganar e começar a procurar ou achar que há ali algo capaz de te deixar de queixo caído. Embora eu
entenda que o foco principal da história talvez não fosse mesmo a vida da protagonista com os adoráveis e um tanto rígidos pais adotivos ou a relação complicada dela com a mãe, não consegui me livrar da sensação de que esse ponto da história poderia
ter sido mais explorado. Até ensaiaram tratar mais disso, mas o tema foi ficando cada vez mais para escanteio.
A virada pouco convincente na história é outra coisinha incômoda. Só supera ela o período de auto-descoberta de Lola, que poderia ter sido um momento super importante e passa com uma superficialidade de dar dó.
Enfim, Lola e o Garoto da Casa ao Lado é um livro beeeem adolescente. É romântico, bonito, gostoso de ler. É bom? Como eu já disse lá em cima, é. É do tipo que você pega quando procura algumas horas de puro entretenimento simples, fácil.


Título original: Lola and the Boy Next Door
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 288
ISBN: 9788581630533