É Natal! A proposta de hoje é um post temático, inspirado na TAG do Cabine Literária e escolhido para comemorar a data. Então se acomode, conecte-se ao espírito natalino e vamos nessa!

Um livro natalino:

Eu meio que acabei de me dar conta que não tenho muitos livros natalinos na lista de finalizados. Aliás, não consigo lembrar de nenhum agora… O que é uma surpresa, porque conheço vários! Então, para tentar me redimir desse desequilíbrio, vou selecionar “Em casa para o Natal”. Nada mais justo, já que ele está na fila de espera há séculos.

Um filme natalino que você acha que daria um ótimo livro:

“Menores desacompanhados” costumava ser uma frequência frequente aqui em casa. Fosse via locadora ou canal a cabo, eu sempre encontrava um jeito de chegar a ele. Nem sei mais quantas vezes já assisti. A história de um grupo de crianças presa à solta num aeroporto na véspera de Natal tinha um apelo que eu não conseguiria explicar atualmente nem que me pagassem, mas ainda acho que daria um infantojuvenil leve e divertido para a época.

Um livro que não é de natal, mas você acha que tem um clima natalino:

“Vida após o roubo” me lembra um pouco “Contos de Natal”, do Dickens. A fantasma da história vem com várias reflexões para o protagonista e para o leitor. E como Natal sempre me remete a paz, a leveza, o fato de o livro ser as duas coisas só contribui para essa relação.

Um livro que é muito importante para você, ao ponto de colocá-lo no lugar da estrela na árvore do Natal:

“Calafrio” pode não ser o melhor livro do mundo, mas é um dos meus mais amados. Todos que me conhecem devem saber disso, de tanto que babo na trilogia “Os lobos de Mercyfalls”. Quando penso em “Calafrio”, instantaneamente penso em amor, em carinho. Tem coisa melhor para a posição de honra no topo da árvore?

Categorize personagens literários para os seguintes cargos Natalinos:

1. Papai Noel: receptivo, amoroso, que tem um coração gigante. Um personagem muito significativo

A Aimeé, de “O maravilhoso agora”, é tão bondosa que chega a dar raiva. Isso porque o coração da coitada é tão doce que ela cruza a linha para o limite de boba. O lado positivo, creio eu, é que precisamos de mais gente assim circulando por aí.

2. Renas: Personagem que sempre ajuda o principal, prestativos

A Vee, de “Hush, Hush”, é uma verdadeira parceira para a Nora. Isso fica ainda mais evidente em “Crescendo”, então mesmo que seja uma só rena já deixa a protagonista bem equipada.
3. Duendes: Muito trabalhador e perfeccionista

Em “Corra, Abby, Corra”, Abby começa como workaholic convicta. Ainda que ela seja um tanto maluca e tenha me dado no saco aqui e ali, daria uma excelente duende.

4. Boneco de Neve: Um personagem familiar, muito apegado às pessoas a sua volta

O primeiro exemplo que me vem à mente é a matriarca da família Bridgerton. Os livros de Julia Quinn não seriam os mesmos sem Violet e seu jeito amoroso, astuto e encantador.

5. Árvore: Um personagem chamativo e belo. Que todos param para olhar

O Sam, novamente de “Calafrio”, não é descrito como o tipo de personagem que quebra pescoços quando passa, mas para mim ele é belo e chamativo. Meu encanto por esse personagem não passa. Estou oficialmente jogando a toalha.

Um personagem nada Natalino:


O Jorg, de “Prince of thorns”, definitivamente não é nada natalino. O cara é sombrio, complexo, líder de um grupo de assassinos (e eu o adoro). No Natal, Jorg seria o Grinch. Um pouco mais maldso, claro. Precisamos respeitá-lo. Mas, ei, sempre há espaço para os Grinchs. Estou aqui planejando acrescentar mais algumas doses de Jorg no meu!