Menu

[Resenha] Celestial — Jennifer Laurens

Celestial é o sexto livro da americana Jennifer Laurens, que, até o momento, já é autora de um total de dez. Publicado nos Estados Unidos em 2009, teve suas sequências, Penitence e Absolution, publicadas logo no ano seguinte. Jennifer vive em Utah e tem 6 filhos, um deles com autismo.

Nesse livro, desde o diagnóstico de sua irmã caçula, Zoe e toda sua família tiveram suas vidas viradas de cabeça para baixo. O autismo de Abria mudou toda a rotina da casa e afetou profundamente cada um de seus habitantes. E por causa de toda a atenção da qual a menina precisa, seus pais, que parecem ao mesmo tempo sempre cansados e alertas aos perigos que até uma pequena janela destrancada pode trazer, não percebem que há outros problemas se acumulando. Não percebem que Luke, o filho do meio, foge dos problemas em casa com a ajuda  de drogas. Não percebem que Zoe, por ser a irmã mais velha e se ver obrigada a desempenhar o papel de segunda mãe, embora tente se manter firme, usa saídas secretas para festas e bebidas como válvula de escape.

Aos cinco anos de idade, Abria não fala coerentemente, é uma criança incrivelmente (e perigosamente) forte e tem uma tendência a desaparecer e deixar todos preocupados. A preocupação só diminui para Zoe ao descobrir que há alguém especialmente dedicado à segurança de sua irmãzinha. Esse alguém é Matthias, o anjo da guarda de Abria que, pelo que parece, ninguém mais consegue ver. O anjo por quem Zoe acaba se apaixonando.

       Saí de trás da esquina da parede de tijolos e me detive. Ali, de pé diante de mim, vi um jovem, e ele segurava a mão de Abria. O martelar em meu peito subiu mais um degrau. Eu tinha certeza absoluta de que não havia ninguém no parque(…)
Ele tinha os olhos azuis mais penetrantes que eu já tinha visto. Eles vidraram nos meus, firmes e decididos.
— Olá. — A voz dele era carregada e serena, como o despejar de uma água morna.

Dou graças a Deus por não ter julgado esse livro pela capa. Para dizer a verdade, eu já conhecia e tinha certo interesse por ele desde antes de sua recente publicação no Brasil (e aqui sinto liberdade para dizer que a capa original é bem pior que a nacional!), por isso meio que me orgulho de ter superado essa barreira, digamos, estética. É claro que isso é uma questão de gosto, mas acho realmente uma pena que a primeira impressão de um possível leitor possa ser negativa por causa dessas capas, que, sinceramente, mereciam ser tão lindas quanto a história.
Celestial é o tipo de livro que pode mexer com seu emocional, te cercando por todos os lados. É puro amor, do início ao fim. Trata de amor fraternal, amor romântico, auto-conhecimento, aceitação… E o melhor é que não deixou de me passar a sensação de seriedade e realidade. Isso aí, apesar de ter um tema, uma essência sobrenatural, o livro me tocou, me deu um choque de realidade. E, minha nossa, isso é incrível. É o tipo de coisa que me fez ter certeza de que Laurens sabia o que estava fazendo, tanto ao escrever de fato quanto ao escolher falar sobre autismo numa de suas obras.
Zoe é a narradora, tem 18 anos e é uma personagem incrível. Ela ela cresce, aprende, muda tão naturalmente até a última página! Ela é consistente. Através de suas palavras, consegui sentir todo o profundo conflito de seus sentimentos em relação a Abria.  Por causa de suas palavras e da forma como foi apresentada pela autora, quase cheguei a imaginar que realmente a conhecia. Sendo assim, ficou muito mais fácil me sentir à vontade com o que estava sendo contado. Uma protagonista como ela tem o poder de fazer o leitor se sentir íntimo da história.
O relacionamento de Zoe e Matthias é simplesmente adorável. O amor dos dois é puro, do tipo que arranca alguns suspiros e faz o coração apertar vez ou outra. Matthias é bondoso, dedicado a seu trabalho, gentil, atencioso e lindo. Além de tudo, tem também uma história que só o torna mais interessante.
Só não considero Celestial ainda melhor por algumas questões puramente pessoais. Coisa que podem parecer bobas — como os poucos sms’s toscos trocados entre personagens —, mas que conseguem me incomodar. No entanto, os detalhes que não me agradaram se perdem quando penso no todo. Eles quase somem quando penso que o final foi feito na medida certa para me agradar. Por tanto, digo com todas as letras que o meu desejo, aqui, neste exato momento, é que todos corram atrás do seu Celestial.

Título original: Heavenly
Editora: Novo Século
Número de páginas: 320
ISBN: 9788576797760

7 Comentários

  • Alice Aguiar
    8 de outubro de 2012 at 15:17

    acho que fiquei em duvida se leria ou nao, mas quem sabe né xp

    Reply
  • Bruna
    8 de outubro de 2012 at 21:25

    Gostei da resenha.
    Ainda não conhecia o livro.
    Beijos

    http://cocacolaecupcake.blogspot.com.br

    Reply
  • Isabel
    10 de outubro de 2012 at 22:10

    Não gosto de autores que não se preocupam com esses detalhezinhos haha Gostei da ideia do livro. Autismo é uma doença de se conviver, e pouco explorada por artistas em geral como tema de obra.

    Reply
  • Jacqueline Braga
    11 de outubro de 2012 at 15:53

    capa horrível horrível, mas ai vem essa resenha e eu fico aqui louca pra ler.e fiquei curiosa com essas mensagens rs adoro quando o autor colocar e-mail e mensagens de texto no livro *_*
    bjos

    Reply
  • Luara Cardoso
    12 de outubro de 2012 at 20:27

    É, eu já ia dizer que a capa era horrível. Mas realmente é, então… Pelo menos a capa brasileira é menor pior do que a original, não é? Concordo com você que as histórias bonitas deveriam ganhar capas igualmente bonitas, mas…
    Parece ser um livro incrivelmente lindo, agora fiquei super na vontade de ler.

    Um beijo,
    Luara – Estante Vertical

    Reply
  • Ceile
    25 de novembro de 2012 at 21:36

    Nossa, eu "trombei" com este livro diversas vezes na pré-venda da Saraiva e sempre desisti de pensar em comprar (hahaha) pela capa. Realmente, ela é muito estranha para uma história tão tocante assim.

    Eu – ainda – adoro estas histórias em que a mocinha se apaixona pelo anjo. Fico imaginando a delicadeza deste anjo, por ele ser o anjinho da irmã da Zoe…

    Um tema muito delicado, sem dúvidas (não a paixão, mas os outros problemas que rondam uma família enquanto eles focam em um específico).

    Sua resenha ficou linda *-*

    Beijos!

    Reply
  • Caique Monteiro
    28 de julho de 2015 at 04:35

    Eu comprei esse livro na estação anhagabau estava para viajar em internet e decidi pegalo… nossa o melhor livro que ja li voltei de viagem a aonde eu ia levava comigo. eu passei a criar um filme em minha mente a imaginar cada detalhe e achei facinante tudo do começo ao fim so achei ruim não existirer parte 2 e nem filme.no final vimos pouco zoe com mathias mais tudo bem. Acho que seria bom saber como estão…mais acho que estragaria se ouvease novas aventuras .achei lindo .

    Reply

Deixe seu comentário aqui: