Menu

[Resenha] A Elite — Kiera Cass

A Elite é o segundo livro da trilogia Seleção, que chegou ao Brasil na reta final de 2012 com o já bastante conhecido A Seleção. O próximo volume, ainda sem título ou data de lançamento, tem publicação prevista para 2014.
Até o momento, o reino de Illéa ainda não conhece sua nova rainha. A seleção da qual a escolhida sairá tanto com a coroa quanto com o coração do príncipe Maxon agora tem 29 candidatas a menos, e America continua confusa, dividida entre o que um relacionamento com o príncipe pode representar e o que Aspen, seu antigo namorado, sempre representou durante os anos em que estiveram juntos. Mas ela precisará tomar logo uma decisão, pois os ataques dos rebeldes determinados a acabar com a monarquia estão se agravando.

Mais uma vez ela estava certa. Eu tinha medo. Medo de que os sentimentos de Maxon não fossem tão autênticos como pareciam; medo das implicações de ser princesa; medo de perder Aspen.

Minha experiência com A Seleção poderia ter sido melhor, é verdade. Eu não via muito sentido em transformar o que provavelmente teria sido um bom livro único numa trilogia. Só o que me fez manter a chama da esperança acesa foi a curiosidade, a vontade de ver o que de interessante a autora ainda conseguiria apresentar. Não tive muitas surpresas — o nível se mantém, apesar de Kiera ter apostado numa trama bem mais movimentada dessa vez —, então acredito ter estado preparada dessa vez.

Ainda existem muitas coisas das quais reclamar. Exemplo: ninguém precisa de uma protagonista tão chata feito a America, mas ela continua lá. E o pior é que a coisa anda se agravando, porque Maxon fica parecendo bipolar e a própria America faz e diz coisas que simplesmente não casam de forma alguma. Vai entender! Isso sem falar muito da pegação firme com os dois interesses amorosos, porque, olha, ô situação irritante!

Uma coisa é certa: essa leitura é do tipo capaz de despertar o lado mais adolescente boboca das pessoas. É #TemMaxon para cá, #TeamAspen para lá… (Ainda sou mais o Maxon, ok? Me deixe!). Por mais que irrite, a história gruda na cabeça feito chiclete e só solta depois da última palavra da última página. Dá vontade de jogar tudo para o alto ao mesmo tempo que dá vontade de agarrar. É mesmo uma relação confusa.

A narrativa ajuda e conta como ponto positivo, o que é um grande milagre a se levar em conta (ver narradora mimizenta citada acima). Ataques rebeldes, questões políticas, detalhes sobre a história de Illéa e mais espaço para personagens secundários também fazem parte do pacote de melhorias. Essas, porém, não conseguem  fazer muito mais do que manter um equilíbrio entre o bom e o ruim do todo. Em resumo, temos aqui um entretenimento jovem de qualidade moderada.

Infelizmente, A Elite ainda não dá solução para diversas questões, sendo algumas delas até bem bobas. Continuo achando que poderíamos ter sido poupados disso, embora a autora pareça discordar. Ainda há tanto a acontecer que só posso esperar por muita confusão e muita coisa empaçocada lá nos últimos capítulos do último livro. Talvez esse seja mesmo estilo de Cass, afinal. Mas tudo bem, sabe? Ela quer continuar trollando? Ora, tudo bem. Só espero que o final da trilogia seja mais digno do que esses que os dois primeiros volumes receberam.
——-
*O exemplar por mim adquirido é uma prova antecipada disponibilizada pela Editora Seguinte. O lançamento oficial do livro acontecerá no dia 23/04/2013.

7 Comentários

  • Lygia Netto
    20 de abril de 2013 at 12:18

    "Uma coisa é certa: essa leitura é do tipo capaz de despertar o lado mais adolescente boboca das pessoas. É #TemMaxon para cá, #TeamAspen para lá…"

    HAHAHA! FATO!! :DD
    E queria dar uns tabefes na Meri metade do livro…ela piriguetou bastante em A Elite neh? rsrs.

    Beijos!
    Lygia – Brincando com Livros

    Reply
  • Rafaela.
    21 de abril de 2013 at 16:26

    Ri muito lendo alguns parágrafos da sua resenha! Hahahaha
    Tenho vontade de ler, mas não é nada urgente, sabe? Até o final do ano eu leio. Acho bacana toda essa movimentação que livros como este geram. 🙂
    Adorei a resenha!

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    Reply
  • Vinícius Costa
    21 de abril de 2013 at 16:35

    Acho que sou o único Selectioner a gostar da America! Rsrs
    Coloque-se no lugar dela… As decisões que precisam ser tomadas, Maxon e Aspen enchendo a paciência o tempo todo, a exposição à mídia… É de deixar qualquer um "chato"! America é autêntica. Gostaria que outras pessoas vissem isto nela.
    Beijo,
    Vinícius – Livros e Rabiscos

    Reply
  • D e s s a
    21 de abril de 2013 at 22:07

    Ainda não li A seleção *shameonme* :/
    Acho linda essas capas. *-*

    http://www.apenas-um-vicio.blogspot.com.br

    Reply
  • D e s s a
    22 de abril de 2013 at 00:38
  • Jacqueline Braga
    25 de abril de 2013 at 23:03

    Apesar da mimizenta da America, e de algumas coisinhas que me desagradaram, A Elite conseguiu reunir tudo o que tinha faltado em A seleção, e espero ansiosa pelo próximo.
    P.S: bem que uma cabeça podia rolar no último livro né? rs
    bjos

    Reply
  • Fabrica dos Convites
    7 de maio de 2013 at 11:19

    Não vejo a hora de me deliciar com este livro. Estou na torcida pela príncipe.
    Bjs, Rose.

    Reply

Deixe seu comentário aqui: