Menu

[Resenha] Quem Poderia Ser A Uma Hora Dessas? — Lemony Snicket

Em “Quem poderia ser a uma hora dessas?”, Lemony Snicket escreve sobre um personagem de mesmo nome. Lemony (autor) também assina obras como “Desventuras em série”, “Autobiografia não autorizada”, “Raiz-forte” e “O pedacinho de carvão”. Aliás, a possa interessar, a pessoa por trás desse pseudônimo é Daniel Handler, autor de “Por isso a gente acabou”, publicado pela Companhia das Letras.

Pois bem, Lemony Snicket está para começar sua trajetória de solução de mistérios. Ao concluir parte dos estudos ainda na margem dos 13 anos de idade, ele está envolvido com uma organização que buscará respostas, nesse que será seu primeiro caso, para o roubo de um objeto que não foi roubado, envolvendo  uma cidade à beira-mar que já não está à beira-mar, incluindo, claro, várias linhas de pensamentos erradas e diversas respostas erradas para perguntas erradas. Na decadente cidade de Machado-pelo-mar e sob o comando da pior tutora da organização — mulher essa que ele mesmo escolheu — poderá o rapaz solucionar esse crime? Ou será essa mais mais uma das perguntas erradas?

Ali, parados na porta errada do lugar errado, parecia a coisa errada a se fazer. Mas fizemos mesmo assim. Saber que uma coisa está errada e mesmo assim fazê-la é algo que acontece com bastante frequência na vida, e duvido que algum dia eu saiba o porquê.

Que livro delicioso! Não bastasse encher os olhos com o trabalho gráfico lindo, todo o conteúdo em si  é carismático. Cheio de mistérios, tiradas engraçadas e trocadilhos, para completar ele ainda apresenta um protagonista inteligente que consegue ser maduro para a idade sem perder a graça da juventude. O ritmo empolgante, as risadinhas e a brincadeira que o autor faz com o leitor no que diz respeito ao rumo da história é prova de que ele quer prender a atenção. Resultado? O danado conseguiu.

É tudo tão bem construído, tão bem pensado. Até os enganos têm algum efeito, nem que seja só em nós, pobres leitores. Os personagens secundários carregam segredos, o protagonista também tem os dele… É muito fácil deixar a imaginação à vontade. Então surgem as reviravoltas, a adrenalina sobe, as teorias vão por terra e você simplesmente quer mais. Está aí um exemplo de como é possível quebrar a cara com teorias e ainda pedir bis.

Existe um método simples para encontrar uma pessoa quando você ouve gritos. Primeiro, pegue uma folha em branco e um lápis bem apontado. Depois trace nove colunas, cada uma delas com quatorze casas. Então jogue o papel fora e encontre quem estiver gritando para poder ajudá-lo. Não é hora de perder tempo com papel.

Cuidado, pois quando “Quem poderia ser uma hora dessas?” te pega desprevenido, a única opção é se render. E, olha, é coisa de crime organizado. Coisa de bando. Esse é apenas o primeiro dos quatro volumes da série “Só perguntas erradas”. A continuação se chama “Quando você a viu pela última vez?”, já publicada no Brasil.

Título original: Who Could That Be At This Hour?
Número de páginas: 235
Editora: Seguinte

1 Comentário

  • Daniela Farias
    16 de agosto de 2014 at 14:56

    Adoro Lemony Snicket, sou grande fã dele graças a Desventuras em Série.
    Já estou lendo o segundo livro e amando muito! <3
    Gostei muito da resenha, bem simples e objetiva.
    Beijinhos!

    http://www.daninhafarias.com

    Reply

Deixe seu comentário aqui: